um pouco do que me interessa

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

O tempo das coisas não esquecidas



O que dizer?O que dizer?
Um mulher caminhando em volta de um grande relógio.O som do tempo ao fundo.
Ela abaixa a cabeça e passa as mãos no cabelos,isso a acalma.
Esfrega a mão no rosto e suspira.
A música aumenta.
O coração esta machucado.

Esperam algo de mim?


Eles olham
As folhas do calendário passam e essa tua cicatriz que não se fecha?
Ela olha
...Dorme a cidade ,resta um coração...

E eu que não tenho coragem de dizer que tua felicidade me incomoda.
E eu que queria meu espaço.
E eu que não quero machucar com minhas angústias, aqueles que estão ao meu lado.
E eu que estou cansada,mas cansada mesmo de dizer que tudo isso aqui doi.
Talvez eu devesse parar de escrever,mas eu não consigo parar de admitir minhas angústias.Conversando através de todas estas palavras comigo mesma.

De um oi...cresceu a angústia.
De um beijo e abraço passou para boa noite.
De todas as coisas que eu poderia dizer criou-se o silêncio.
Da minha arte criou se um ?

Não sou a lamentação em pessoa,mas porque as coisas todas vieram juntas?
Por que as decepções juntas?
E o amigo disse:"não pode se fechar garota,se bem que eu também me fechei".E a gente riu dessa coisa toda que a gente não sabe administrar.
E hoje ela fugiu da rua novamente.E hoje ela pôs a culpa no corpo quente.
E ela não ficou feliz com os presentes da mãe.Por que o que a põe em alegria,já não esta mais com ela.
E quem tem força para prosseguir?

Hoje não consegui bater as palmas e gritar o mantra.
Tirei o vestido vermelho e os sapatos e deitei na cama cantando pra essa coisa aqui dentro cessar.Me embalei sozinha na cama,como se fosse um berço..(por que com tempo a gente cresce e percebe que às vezes ninguém mais pode te ajudar) pra ver se a coisa ruim cessava,pra nunca mais voltar;

O que levo na mala?
Amanhã quem sabe penso nisso...


Olá, como vai
Eu vou indo e você, tudo bem?
Tudo bem, eu vou indo, correndo
Pegar meu lugar no futuro, e você?
Tudo bem, eu vou indo em busca
De um sono tranqüilo, quem sabe?
Quanto tempo...
Pois é, quanto tempo...
Me perdoe a pressa
É a alma dos nossos negócios...
Qual, não tem de que
Eu também só ando a cem
Quando é que você telefona?Precisamos nos ver por aí
Pra semana, prometo, talvez
Nos vejamos, quem sabe?
Quanto tempo...
Pois é, quanto tempo..
Tanto coisa que eu tinha a dizer
Mas eu sumi na poeira das ruas
Eu também tenho algo a dizer
Mas me foge a lembrança
Por favor, telefone, eu preciso
Beber alguma coisa rapidamente
Pra semana...
O sinal..
Eu procuro você...
Vai abrir!!! Vai abrir!!
Eu prometo, não esqueço, não esqueço
Por favor, não esqueça

2 comentários:

Daiane Oliveira disse...

o q te disse por msn!
te amo!!!
saudade sentirei!

Juliane Bitencourt disse...

Nossos passos ainda tem muito caminho para percorrer...Vamos embora Fe, juntas...sem medo, sem mágoa, só com alegria de estar viva e poder dividir com quem se gosta tudo que ainda temos de bom em nós...Porque, se o mundo gira, ainda encontraremos o nosso lugar!Não esqueça de abrir sua mochila, se algo ruim te assombrar!Eu saio de lá vestida para matar!!hehehe...
bjos more!