um pouco do que me interessa

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Uma ausência,fé e doces.



Nem sempre sou igual no que digo e escrevo.
Mudo mas não mudo muito.

dia:existir é incompreensível e excitante.

Leu:"Se você deixar este momento escapar,ele nunca mais retornará".Ficou pensando na frase de Brook.

Chega já a ser corriqueiro as pessoas pararem ela na rua para perguntar:
-Quantos anos vc tem?.
Ei, será que colocaram uma fita sobre meu cabelo e me deram uma boneca?Já mostrara sua carteira de identidade inúmeras vezes,mas nem o homem que cortou seu cabelo acreditou.Enfim,aceito os 17 anos.
A garota só pede que aos 40 tenha a mesma jovialidade,apesar que envelhecer deve ser uma delícia.

pausa
Senti saudades.

Caminhando sozinha.Enchendo-se de sonhos.Se perdendo em ruas e se encontrando.Bom se perder aqui e achar em cada esquina uma novidade.Chega a falar sozinha, quando vê algo que gosta.
Foi à Igreja,ainda não sabe o por quê.Estaria tentando resgatar sua fé?Ou sente paz neste lugar?Agradece pelo momento que passa,mesmo sentindo o tal "vazio".Enfim,pensou nas palavras:"O senhor não deixa de cumprir suas promessas". -Ei ,que vc me prometeu senhor?
Repetiu ela mentalmente muitas perguntas neste lugar e saiu "sorrindo" de lá,talvez por que ia em busca de doces (isso a alegra).Uma torta de chocolate para alegrar o dia.


Será que sou tão dura assim?
Talvez as palavras do amigo a tenham ferido,mesmo que brincadeira.Será ques está sozinha porque ninguém a aguenta ou escolhe as pessoas erradas?.Ela pede desculpas ou não por ser tão eufórica com o mundo. Por se entregar.
Pensou :sou tomada por paixões por coisas,por pessoas ,mas sinto que o amor..tive está vez...entende?Então que da próxima vez seja paixão,por que elas passam rápido.
"Eu quis tanto ser a tua paz, quis tanto que você fosse o meu encontro. Quis tanto dar, tanto receber. Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu. "


Cercada de livros.4,5,6...quer ler todos,mas ela não consegue.Fellini ,Yoshi Oida,Renato,Antunes todos chama seu olhar.O tempo aqui é curto!Ela pegou um papel em branco e rabiscou um roteiro,mas ela não consegue ir por roteiros,gosta do inesperado.Ah,oh inesperado.Será que ainda sentirá aquela batida forte no coração?

Baixou uma melancolia não se sabe de onde.Escutara uma música(9 crimes)a melodia tocou algo dentro de seu peito.
Venha sono por que os livros já não prendem tanta atenção às 4 da manhã.
Leu Caio em meio a chuva e o barulho dos carros.

"Vai passar, tu sabes que vai passar. Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está ai, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada "impulso vital". Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te supreenderás pensando algo como "estou contente outra vez". Ou simplesmente "continuo", porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloqüentes como "sempre" ou "nunca". Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicidio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns, sim - nós, não. Contidamente, continuamos. E substituimos expressões fatais como "não resistirei" por outras mais mansas, como "sei que vai passar". Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência.Claro que no começo não terás sono ou dormirás demais. Beberás muito, também, e talvez até mesmo te permitas tomar alguns desses comprimidos para disfarçar a dor. Claro que no começo, pouco depois de acordar, olhando à tua volta a paisagem de todo dia, sentirás atravessada não sabes se na garganta ou no peito ou na mente - e não importa - essa coisa que chamarás com cuidado, de "uma ausência". Atravessarás o dia fazendo coisas inutéis ,como se não houvesse nada mais importante a fazer. E caminharás devagar pela casa, molhando as plantas e abrindo janelas para que sopre esse vento que deve levar embora memórias e cansaços"



"Ando meio fatigada de procuras inúteis e sedes afetivas insaciáveis."

Um comentário:

Oscar Duarte™ disse...

Gostei muito do texto e principalmente do video...me deixaram pensativos...gostei mesmo!